Estar na 1ª página do Google

26 abr 2018
Estar na 1ª página do Google

Alguma vez se questionou como é que os resultados das pesquisas no Google se posicionam?

Pode achar que é uma questão de antiguidade da presença online ou, até mesmo, coincidência, mas quando falamos de resultados orgânicos (aqueles que não são pagos) existe uma ciência por trás dos mesmos, e a verdade é que, existem vários fatores cada vez mais humanos, como os sentimentos e os comportamentos dos utilizadores.

 

O Google analisa os comportamentos dos consumidores

Em 2011, Amit Singhal, um dos principais engenheiros de pesquisa do Google, mencionou, numa entrevista ao Wall Street Journal, que o Google tinha adicionado inúmeros "sinais" ou fatores no seu algoritmo para classificar os sites,  sendo um dos sinais a forma como os utilizadores interagem.

Existem outros aspetos que refletem o comportamento do consumidor como fator de classificação. Nesses, o Google afirma que, juntamente com os antigos fatores de SEO (search engine otimization), vários dados do utilizador podem ser usados por um mecanismo chamado de modificador de classificação, por forma a determinar a posição de uma página nos resultados da pesquisa.

Há alguns meses, Rand Fishkin da Moz, levou a cabo uma experiência: Entrou em contacto com os seus seguidores no Twitter e pediu-lhes que pesquisassem no Google pelo melhor bife grelhado. Quando fosse apresentado o resultado, deveriam clicar no primeiro resultado e, rapidamente, voltar atrás para clicar no quarto resultado, permanecendo nessa página alguns minutos.

Consegue adivinhar o que aconteceu? Pois bem, o quarto resultado chegou ao topo da página.

Por exemplo, se 80% dos consumidores clicarem no 1º resultado por "bife grelhado" e não interagirem com o website (não efetuarem qualquer ação), significa que a taxa de rejeição é de 80%, ou seja, o interesse (sentimento humano) provocado pelo website para a keyword "bife grelhado" é de somente de 20%, o que originará uma reclassificação de posicionamento, podendo mesmo sair da 1ª página de resultados do Google.

A relevância e o sentimento são cada vez mais importantes para a classificação dos resultados no ranking de posicionamento mas, para estar na primeira página, teremos que ser realmente os mais crediveis e os mais merecedores.

 

O Google analisa permanentemente as ações dos consumidores

Entre muitas informações recolhidas para cada clique, incluem-se a consulta que o utilizador digitou, o resultado do site em que o utilizador clicou, e o tempo em que esteve numa determinada página. Este tempo é medido entre o clique inicial, até o momento em que o utilizador navega para outra página. O Google sabe, por exemplo que, um determinado grupo etário, permanece menos tempo naquele conteúdo que um outro grupo.

O Google, ao indexar / classificar um site, avalia as suas características e propriedades, em comparação com os sites concorrentes, caso exista um bom desempenho, concluirá que o site é credível e de qualidade, colocando-o numa zona visível (1ª página do Google)

Na realidade, o Google sabe "quase" tudo sobre o consumidor, isto porque no futuro quer tornar-se o seu conselheiro pessoal e até o seu melhor amigo, através do fornecimento de serviços e informações úteis personalizadas.

Como utilizador só permaneço num site de "bifes grelhados" se me interessar o que vejo, o que leio e sobretudo se não for vegetariano.

 

Como estar na 1ª página do Google?

Cada conteúdo publicado na internet é analisado detalhadamente. O Google define e classifica o conteúdo e o seu público-alvo, ao nível da relevância, do comportamento, e até dos sentimentos de cada um dos utilizadores. Sem dúvida que podemos afirmar que o conteúdo é Rei, mas para os conteúdos terem visibilidade, será necessário um website, blog ou loja online preparados e otimizados tecnicamente para comunicarem de forma eficiente com o Google.

Na Bluesoft, implementamos de forma obsessiva as boas práticas de otimização com os motores de busca, com o objetivo de aumentar a visibilidade, a credibilidade e a rentabilidade dos nossos clientes na Web. Contacte-nos para fazer também parte dos nossos casos de sucesso.

partilhe
Subscrever Blog
Subscrever Blog

Acompanhe o nosso Blog