#trabalharcomdados

SEO Off Page
19 novembro, 2020

SEO Off Page

Sobre SEO off page, perguntamos: qual é a sua marca favorita? Todos temos uma. E quando alguém lhe pede uma recomendação, o mais certo é o leitor recomendar essa sua marca favorita.

Sabia que, quando o faz, está a utilizar uma prática de SEO off page? Descubra como e porquê.

 

O que é o SEO off page?

O SEO off page é o equivalente digital à expressão word of mouth.

Quando um utilizador procura um produto ou pesquisa acerca de um tema, visita vários websites sobre o tema, certo? Passamos por páginas e por blogues. Pelas redes sociais e dezenas de reviews e recomendações. É um processo natural.

Afinal, estamos prestes a gastar o nosso dinheiro num produto ou procuramos fontes confiáveis sobre o tema que pesquisamos. No fundo, procuramos ter a certeza.

E se muitas das páginas que visitamos referem quase sempre o mesmo website, o mais certo é que este seja de confiança. E o mais certo é clicarmos nesse link, tantas vezes utilizado por terceiros. O conceito é assim: simples. A explicação, ligeiramente complexa.

Tecnicamente, é uma estratégia desenhada para promover um website. O objetivo é que este website seja recomendado ou referenciado por terceiros (word of mouth), na forma de links que encaminhem para lá os utilizadores.

Idealmente, esta promoção acontece de forma orgânica, dada à qualidade dos nossos próprios conteúdos. Mas existem estratégias que podemos adotar. Antes de irmos às estratégias, talvez existam por aí leitores que se estejam a perguntar:

Muita gente fala de SEO. É o mesmo que o SEO off page? Sim. E não.

 

Qual a diferença entre o SEO off page e o SEO on page?

Quando se fala em SEO, normalmente estamos a referir-nos ao SEO on page

Ou seja, estamos a falar numa estratégia de otimização para uma página específica. Neste caso, de tudo aquilo que está dentro do nosso controlo: utilização de palavras chave adequadas, a construção de um website simples, de leitura fácil, com qualidade, que leve o leitor de um ponto a outro, meta descriptions, etc. Isto é “on page” (na página). 

Portanto, como o próprio nome indica “off page” equivale a…? Exatamente: fora da página.

É um daqueles detalhes que distingue um profissional de um profissional que sabe do que fala. Isto porque, muitas vezes, este é um detalhe que nem sequer é deixado para segundo plano. Por vezes, nem é mencionado. E isso é um erro, obviamente. 

 

Qual a importância do SEO off page?

O SEO off page refere-se a um conjunto de ações que acontecem fora do nosso website, mas que acabam por ser relevantes para a nossa posição nos resultados de pesquisa.

Como vimos em cima, são ações que, muitas vezes, acabam por estar fora do nosso controlo. Mas há estratégias que podemos aplicar.

Estas estratégias têm como objetivo aumentar a popularidade, relevância, confiança e autoridade de um determinado website, por parte de terceiros.

Idealmente, estes “terceiros”, ao incluírem um link para o nosso website, terão também alguma reputação. Isto porque é importante para o Google que o link gerado venha de um local de confiança.

Agora, prepare-se. Vou fazer isso mesmo. 

E faço-o porque o link do website que estou prestes a incluir neste texto é uma referência na comunidade e porque o considero ser de confiança. 

A MOZ publicou um estudo intitulado Search Engine Ranking Factors

Neste estudo pode ler-se que fatores como a confiança ou a relevância, ligados ao SEO off page, têm um impacto superior a 50%, no momento em que o algoritmo da Google avalia o nosso conteúdo.

Qual a sua importância? Repito: superior a 50%. Quer isto dizer que nos devíamos focar mais nesta prática? Não.

Por uma razão: conteúdo.

Se a nossa página não tiver conteúdo relevante e de qualidade, ninguém vai achar que vale a pena referenciar-nos. E se o mesmo não estiver já por si optimizado, ninguém encontra o nosso conteúdo.

As boas práticas recomendam uma proporção de 70% de dedicação ao SEO on page e de 30% para o SEO off page.

 

Estratégia de SEO off page

Então, na prática, o que podemos fazer?

É importante lembrarmo-nos que o nosso objetivo é levarmos terceiros a incluírem um link para o nosso website. Assim, o mais importante é termos o nosso conteúdo sempre atualizado, informativo e apelativo, para que a sua partilha valha a pena.

Depois, cada caso é um caso. Mas, de uma forma genérica, existem três formas de obter uma referenciação para o nosso website:

  1. De forma natural: o nosso conteúdo original tem qualidade suficiente para que seja referenciado por terceiros, sem necessidade de nos envolvermos diretamente. Por exemplo, um artigo de blog menciona um website de confiança. (Exatamente o que fizemos há pouco);
     
  2. Parcerias: ações como influencers utilizarem links para o nosso website são um exemplo. Outra ideia é a criação de uma parceria mais formal com websites relevantes, onde um menciona outro e vice-versa;
     
  3. De forma manual: através da promoção das nossas próprias páginas em grupos de discussão. Desta forma, aumentamos o tráfego para o nosso website, bem como a probabilidade de virmos a ser mencionados mais à frente.
     

O SEO off page é uma componente que não deve ser esquecida, numa estratégia de SEO global, bem desenhada, para um website. E se ainda ninguém lhe tinha falado disto, então talvez esteja na hora de falar connosco.

Tráfego Orgânico
12 novembro, 2020

Tráfego Orgânico

Sabe o que é o tráfego orgânico? Então, comece por imaginar que tem um restaurante, um bar, ou um café. 

Há muitas formas de atrair clientes até ao seu estabelecimento. O mesmo é dizer que há muitas formas de gerar tráfego. É seguro afirmar que o melhor que pode acontecer ao seu negócio é a atração de clientes através do tráfego orgânico – ou seja, através de uma atração natural, de qualidade e sem anúncios, de novos clientes.

 

O que é o tráfego orgânico?

Começámos pelos estabelecimentos físicos, mas o conceito aplica-se também ao universo digital. 

Seja um restaurante, um website, um blog ou outra plataforma digital, o tráfego orgânico são as visitas que o seu negócio recebe, sem que para isso seja necessário investir em anúncios no Google, por exemplo.

É o que acontece quando um utilizador faz uma pesquisa na internet e encontra o seu site nos primeiros resultados sugeridos. O utilizador encontra-o, porque a relevância e o conteúdo que lhe apresentam são de qualidade e se encontram bem classificados. 

O tráfego orgânico é, por isso, o oposto do tráfego pago. E o que é o tráfego pago?

Como o próprio nome indica, o tráfego pago é o tráfego gerado através de anúncios pagos. A qualidade e a relevância são colocadas em segundo plano. E isso afeta de forma inevitável uma potencial relação do consumidor com o seu conteúdo.

Mas, se por um lado, o tráfego pago é mais imediato, por outro, o problema está nesta duração. O que acontece depois do anúncio sair do ar? Depois de sair do topo da página de pesquisa? Depois de pararmos de gastar dinheiro?

Nada. Zero. Niente. 

Somos obrigados a voltar a investir em anúncios. E assim entramos num ciclo de investimentos intermináveis: ou pagamos para que nos vejam, ou ninguém nos vê. 

E, todos os meses, lá se vai mais um pouco do nosso orçamento. Já o tráfego orgânico apresenta-se como uma solução de longa duração, cujos benefícios podem não só ser medidos, como otimizados ao longo do tempo.

No entanto, é importante ressalvar o seguinte: é sempre necessário um investimento para produção de conteúdos de qualidade. A mais valia está no custo-benefício.

 

Porque investir em tráfego orgânico?

Em primeiro lugar, o tráfego orgânico gera resultados e atrai utilizadores ao longo de muito mais tempo. Anos, mesmo, desde que os conteúdos sejam continuamente atualizados.

Já o tráfego pago tem uma duração diretamente proporcional ao investimento. E estamos todos a par do quanto custa um anúncio hoje, certo?

Para além disso, na eventualidade de uma crise que exija um corte no orçamento para este tipo de anúncios, então eles terminam. Pura e simplesmente deixamos de aparecer.

Pelo contrário, investir na criação de um tráfego orgânico, através da produção de conteúdos otimizados e com informação de qualidade, não só garante que continuemos a estar presentes na vida dos utilizadores, como entramos numa economia de escala: Quantos mais visitantes, mais relevância e menos necessidade de investimento. 

 

 

 

Como aumentar o Tráfego Orgânico?

Há muitas formas de aumentar o tráfego orgânico, mas uma coisa é garantida: está tudo ligado ao marketing de conteúdo e à produção de conteúdos de relevantes. Do marketing de conteúdo falaremos daqui a pouco. Mas sobre a qualidade do conteúdo, é importante referir um ponto:

Para gerar tráfego orgânico, o conteúdo deve ter uma qualidade estética – claro – mas de igual qualidade técnica.

Isto porque escrever um artigo de blog, não é o mesmo do que escrever um artigo para um jornal. E a escrita literária (a bonita, do seu autor favorito) é ali que está bem, nos livros. 

Termos como personas, keywords, SEO, meta descriptions ou backlinks estão sempre presentes ao longo de toda a produção de conteúdos. E um conteúdo de qualidade é um equilíbrio constante entre o que os nossos clientes procuram e o que os motores de pesquisa exigem. 

No entanto, convém nunca esquecermos que estamos a falar para pessoas e não apenas para o Google. 

Como atingimos esse equilíbrio? 

Com marketing de conteúdo de qualidade, lado a lado com uma estratégia de SEO (Search Engine Optimization).

 

Marketing de conteúdo

O objetivo de qualquer negócio é a atração de clientes. Se os seus canais digitais não chegarem ao seu público alvo, então os seus resultados serão negativos. O marketing de conteúdo é, no fundo, o nome utilizado para a criação de uma estratégia digital capaz de gerar tráfego orgânico e atrair clientes.

Aplicado de forma consistente, é o que leva os utilizadores a procurarem diretamente o nosso site, a encontrarem-nos nos primeiros resultados dos motores de pesquisa, a visitarem-nos via outras redes sociais ou mesmo a sermos referenciados por outros sites ou autores.

 

SEO

Em português, SEO é a sigla utilizada para “otimização para motores de pesquisa”. É um conjunto de técnicas utilizadas que respondem aos parâmetros exigidos pelos motores de pesquisa, para que o nosso conteúdo seja visto como relevante e de qualidade.

Tanto o SEO como o marketing de conteúdo geram tráfego orgânico. E tanto um como o outro exigem tempo, dedicação e disciplina. 

Tudo depende do estado atual do seu website (nada que não se resolva com um contacto).

 

Qual a diferença entre o Tráfego Orgânico e o Tráfego Pago?

Vimos um pouco acerca da diferença entre o tráfego orgânico e o pago. No entanto, nunca é de mais sublinhar que ambos não são mutuamente exclusivos.

O tráfego orgânico é uma solução que apresenta um custo-benefício de maior duração. O pago pode ser mais rápido, mas apenas temporário, de muito curta duração.

Mesmo assim, quando existe a possibilidade de, primeiro, investir numa estratégia de marketing de conteúdos e SEO e, depois, conseguir promovê-la através de anúncios pagos – então temos o melhor de dois mundos!

Era bom que tudo fosse assim, não era? 

Rich Snippets
26 outubro, 2020

Rich Snippets

Uma boa forma de começarmos a escrever sobre rich snippets é falarmos sobre desporto. O mais certo é que o leitor tenha um desporto favorito, correto?

Embora a metáfora possa servir para qualquer tipo de desporto, do xadrez à natação, utilizemos um exemplo específico: falemos de Cristiano Ronaldo. 

Num jogo de futebol, uma equipa conta com 11 jogadores. Todos eles treinam, todos eles estão a par da tática a utilizar e todos eles dão uns toques na bola. Mas só um deles é o Cristiano Ronaldo. Porquê?

Porque só uns possuem os atributos que os destacam de todos os outros.

Voltemos ao nosso universo. Na área do marketing digital, pode dizer-se que o conteúdo equivale aos toques na bola. Ou seja, todas as marcas apresentam conteúdo. Todas dão uns toques.

Depois, há marcas que apresentam uma tática com mais qualidade: têm uma estratégia de SEO que as leva a subir de posição no ranking.  

E o que são os rich snippets?

Os rich snippets são apenas um dos muitos atributos necessários para que as marcas se destaquem umas das outras, com a qualidade que os utilizadores vêm a exigir cada vez mais.

 

O que são Rich Snippets?

Vamos por partes.

Em suma, os “snippets” são os vários fragmentos de informação apresentados nos resultados de um motor de pesquisa. Os rich snippets são esses mesmos resultados, mas apresentados de uma forma mais completa. Ou seja, de uma forma mais rica ou “rich”.

A título de exemplo, faça um exercício prático. Procure no google por “Bluesoft”. Agora, repare que, na página de apresentação de resultados, à sua direita se encontram uma série de informações acerca da Bluesoft: imagens, a morada, o map, as reviews, etc. 

Isso é um rich snippet. Neste caso, o rich snippet da Bluesoft.

Os rich snippets apresentam a informação de forma útil e organizada. O seu apelo visual é maior para o utilizador. E destacam-se dos outros resultados apresentados na SERP (Search Engine Results Page) – não é isso o que realmente importa?

Se passear por uma rua cheia de lojas do seu interesse, todas lado a lado, em qual delas vai entrar? A aposta segura é entrar naquela que se apresentar mais bonita, organizada e informativa à partida. Os rich snippets podem também ser vistos como a montra do seu website: a primeira coisa que o utilizado vê na “rua” (SERP). Mas, para isso, investir numa estratégia marketing de conteúdo é apenas metade da batalha. 

A outra metade está diretamente ligada à tecnologia, à introdução de dados estruturados e ao desenvolvimento web profissional. 

 

Para que servem os Rich Snippets?

Exatamente como a montra, os rich snippets servem para aumentar a probabilidade de um utilizador clicar na sua página. Parece um detalhe, mas não é – não basta estarmos na primeira página de resultados.

Imaginemos o seguinte: uma marca investiu numa estratégia de SEO, de modo a chegar à primeira página do Google Search, de forma orgânica. A estratégia de marketing de conteúdo foi acertada e os conteúdos estão otimizados do ponto de vista das boas práticas. Foi um sucesso. 

Mas como não estamos sozinhos na primeira página, competimos com dezenas de outras marcas e websites. Para além disso, sabemos que os utilizadores raramente passam do terceiro resultado, da primeira página de resultados, verdade?

Os rich snippets servem para nos destacarmos. Para oferecermos aos utilizadores uma experiência mais rica e valiosa, através da apresentação de resultados visualmente apelativos, informativos e adaptados ao nosso conteúdo. 

 

Tipos de rich snippets?

Existem muitos rich snippets à nossa disposição. Uns podem ser aplicados a qualquer tipo de negócio. Outros só fazem sentido se aplicados a um negócio específico, como é o caso das companhias aéreas.

E se está a pensar que os rich snippets apenas existem para quem vende produtos na área do e-commerce, desengane-se. Há vários tipos de rich snippets adequados a diferentes tipos de conteúdos, incluindo a apresentação de listas de música, receitas ou artigos de blog e notícias.

O problema está mesmo em elencá-los todos aqui. Por isso, o melhor é mesmo falarmos muito brevemente dos cinco tipos de rich snippets mais utilizados.

 

How-to” rich snippet

Um “How-to” é o tipo de fragmento rico que apresenta aos utilizadores uma série de passos a seguir, de modo a completarem uma dada tarefa. As tarefas podem ser das mais simples às mais complexas e este é um tipo de fragmento que pode ser utilizado em páginas cujo conteúdo pode ser extremamente variado. 

 

“Product” rich snippet

Este fragmento é aplicável a páginas de produto. É uma forma de oferecermos aos utilizadores uma série de informações mais detalhadas. Exemplos são o intervalo de preço, a disponibilidade do produto ou mesmo as avaliações de outros utilizadores.

Para além disso, permite ainda a inclusão de uma nota no Google Imagens, que ajuda os utilizadores a clicarem na imagem do produto, em caso de estarem interessados em saberem mais.

 

Review” rich snippet

Nesta opção, a informação apresenta um pequeno excerto de uma review escrita por outros utilizadores ou até de um outro website especializado na matéria. Podem ser utilizados em vários tipos de conteúdo como livros, filmes ou restaurantes, mas também em receitas, por exemplo, ou cursos e aplicações.

 

Software” rich snippet

Este é um dos fragmentos mais utlizados, embora bastante específico. No fundo, serve para a apresentação de um pequeno sumário acerca das várias funcionalidades ou objetivos de uma aplicação de software

 

“FAQ” rich snippet

Uma série de perguntas frequentes ou “FAQ” pode ser acrescentada à apresentação da sua página web. Imagine que tem uma empresa que oferece serviços, em vez de produtos e cujos artigos do blog se afastam um pouco dos conteúdos de “How-to”. 

A inclusão deste rich snippet oferece mais informação aos utilizadores, para além de responder a algumas das perguntas mais frequentes que possam ter acerca da sua empresa.

 

Qual a importância dos rich snippets no SEO?

O SEO (Search Engine Optimization) é o que permite à sua página web aparecer na primeira página de resultados (SERP - Search engine results pages), nas primeiras posições.

Isto é importante porque, como já vimos, não só os utilizadores raramente clicam em páginas web que estejam para lá das primeiras posições, como ainda é mais raro encontrar um utilizador que visite a segunda página de resultados. 

Normalmente, a resposta que procuramos encontra-se logo nos primeiros links – e, neste caso, provavelmente com um rich snippet com as respostas às perguntas mais frequentes!

Para atingir um nível de SEO de destaque, não basta investir numa estratégia de conteúdos e depois otimizá-los, tendo em conta as melhores práticas de SEO. Isso só o levará até certo ponto.

Os nossos leitores – assim como os nossos clientes – sabem que hoje em dia, apesar do conteúdo ser rei, existem uma série de questões técnicas necessárias ao desenvolvimento correto de um website, com vista a tornar-se numa verdadeira autoridade digital. 

Quando desenvolvemos uma plataforma na Bluesoft, fazemo-lo com as melhores práticas de otimização para motores de pesquisa, tendo em conta todas as possibilidades que existem ao nosso alcance.

Os rich snippets são apenas uma pequena parte de uma implementação de sucesso. E, como viu, apesar de serem um conceito de fácil entendimento, a sua implementação prática é um pouco mais extensa do ponto de vista técnico.

Para o provar, fique a conhecer todas as possibilidades de rich snippets da Google, as suas melhores aplicações e todo o processo envolvido.

SEO Sazonal: Halloween e o marketing digital
31 outubro, 2019

SEO Sazonal: Halloween e o marketing digital

No dia 31 de Outubro é celebrado o Halloween, antes disso, e só em Portugal, no mesmo mês de Outubro já existiram 33,800 pesquisas no google pela keyword Halloween.

Apesar de não ser uma tradição propriamente portuguesa, a comemoração do Halloween, também designada por dia das bruxas, é uma festa que agrada tanto a miúdos como a graúdos. Porque a ocasião requer decorações e trajes a condizer, lá vamos nós à procura das abóboras com cara maléfica, teias de aranha horripilantes e uma máscara que deixa qualquer um de cabelos em pé.

Estas e outras datas comemorativas, como o Natal e a Páscoa, são momentos de partilha e confraternização, que nos permitem agitar a rotina junto de quem mais gostamos. Ora, o mesmo se passa com as marcas no contexto digital. A sazonalidade do mercado é uma oportunidade de ouro para potenciar a venda de produtos e serviços ao sabor da melhor das guloseimas: o marketing digital sazonal.

 

SEO Sazonal: junte-se à festa da autoridade digital

“Que susto!” Pois é... Se há coisa que a noite de Halloween nos permite, é pormos a máscara de bruxas e palhaços, causando calafrios a quem se cruza no nosso caminho. E, os que mais sofrem, acabam por ser os que andam perdidos no meio do escuro, sem saber para que lado é que se hão-de virar! Perante tantas travessuras, mais vale terem uma lanterna no bolso; não vá o Diabo tecê-las...

Quando falamos em obtenção de resultados no digital, nenhuma marca se pode dar ao luxo de ignorar a importância de uma estratégia de SEO. Se 75% dos consumidores recorrem a pesquisas na internet antes de efetuarem uma compra, as datas comemorativas podem e devem ser exploradas pelas marcas, no sentido de aumentarem a visibilidade e rentabilidade da sua presença online.

Legenda: quadro com o número médio de pesquisas (mensais) pelas principais keywords associadas ao Halloween.

 

Keywords Sazonais: as palavras certas no momento certo

Se por acaso já está com os preparativos adiantados para o Halloween, os nossos mais sinceros parabéns. Desde a lista de compras, decoração da casa até à confirmação dos convidados, certamente tudo estará a postos para que a sua noite das bruxas seja uma autêntico “terror”. Pena os que resolvem deixar tudo para a última da hora... Esses sim devem apanhar uns valentes sustos!

Para que a sua marca não seja apanhada de surpresa, nada como pegar no calendário e identificar as datas festivas com maior relevância para o seu negócio. A partir daí, boas práticas de SEO como a escolha de keywords e conteúdos relevantes, ajudarão os seus produtos ou serviços a abrirem as primeiras portas orgânicas nos motores de pesquisa.

 

Marketing Sazonal: um doce que vem mesmo a calhar

Chegada a tão esperada noite, eis que nos aparecem zombies, dráculas e fantasmas. As crianças mascaram-se a preceito e desatam a tocar às campainhas, na esperança de serem brindadas com sacos cheios de doces e guloseimas. Para sorte delas, não é só no Halloween que têm direito a estas ofertas!

Nesse sentido, as datas festivas ao longo do ano são como despertadores de necessidades e desejos, com um impacto direto no comportamento do consumidor. Perante isto, só não aproveita quem não quer! A definição de uma estratégia de Marketing Sazonal possibilita, a qualquer marca, estar no sítio certo à hora certa, para satisfação de quem a procura.

“Doce ou travessura?” A Bluesoft vai mais longe: abrimos-lhe as portas da autoridade digital.

Bê-à-Bá do copy para o SEO
01 julho, 2019

Bê-à-Bá do copy para o SEO

Há quem se desafie a enfrentar os seus medos, colocando, por exemplo, uma iguana na careca (clássico Agora ou Nunca, lembra-se? Ponha! Ponha! Ponha!). Há quem se desafie a saltar de um avião. Há quem se desafie a fazer uma dieta. Hoje em dia, toda a gente se desafia. E muito bem! Portanto, não há qualquer razão para nós também não o fazermos.

O nosso desafio não envolve animais exóticos nem saltos loucos de avião. Muito menos fazer dieta! (Salvé, açúcar, que tão maltratado tem sido nos últimos anos! - #jesuisaçúcar). Pois bem, o nosso desafio foi o seguinte: colocar, na primeira página de resultados do Google, a keyword "linha de Cascais" de forma totalmente orgânica.

Em Portugal, “Linha de Cascais” tem 2.900 pesquisas mensais! Mas o que é mais surpreendente ainda é, no mundo inteiro, “Linha de Cascais” ser pesquisada 3.600 vezes por mês! Ainda, assim, nós, Bluesoft, aparecemos na primeira página em 2.560,000 resultados. Sim, leu bem. Dois milhões quinhentos e sessenta mil resultados. É obra.

Mas, ao contrário de muitas obras levadas a cabo no nosso país, esta teve planeamento. Então ajeitámos o colarinho, sentámo-nos em frente ao computador (como se já não passássemos os dias inteiros nisto), pesquisámos, fechámos os olhos para dormitar, aliás, pensar um pouco, voltámos a pesquisar e escrevemos um artigo sobre a Linha de Cascais. Todas as técnicas de copywriting SEO estão a servir de base a este artigo, em conjunto com tecnologia otimizada. É por isso que ele está na primeira página do Google.

“Linha de Cascais” (bom título para conseguir superar o desafio, hein?) acaba por ser mais do que um artigo sobre a linha de Cascais. “Linha de Cascais” é um guia da linha de Cascais que fala sobre todas as praias, paragens de comboio e apeadeiros, monumentos, atividades a realizar, fundações, aquários, museus, enfim, um sem-número de elementos que se colocam no caminho da linha de Cascais. Elementos esses que nos ajudaram a alcançar o nosso objetivo.

A Linha de Cascais é, claramente, um tema fora do nosso blogue. Não tem nada que ver com o que escrevemos. Não tem nada que ver com o conteúdo que pretendemos partilhar. Não somos especialistas na linha de Cascais. Adoramos Cascais, adoramos praia, adoramos as praias de Cascais, adoramos andar de comboio, adoramos todas as estações e apeadeiros da linha de Cascais, mas estamos mais habituados a linhas de código. Não tanto a linhas de Cascais.

Mas a verdade é que, apesar de tudo isso, conseguimos colocar a "linha de Cascais" na primeira página de resultados do Google. Como?

 

Como aparecer na primeira página do Google?

Hoje, o ser humano não consegue viver sem praticar duas ações de forma constante: uma é respirar, a outra é pesquisar no Google.

Posto isto, voltemo-nos para a segunda (mas, amigo leitor, respire enquanto está a ler o artigo, por favor). A tecnologia e o conteúdo otimizados da Bluesoft permitiram que o artigo fosse parar à primeira página do Google. O artigo segue todas as boas práticas de otimização de conteúdo, a keyword principal - linha de Cascais - está no início do texto, o conteúdo é completo, estruturado e relevante, contém alt image, tem links, título H1 e subtítulos H2, dados estruturados ... O artigo tem tudo o que um artigo precisa de ter para aparecer na primeira página do Google.

E é neste momento que voltamos a dar, ao nosso amável leitor, uma ensaboadela de SEO. Exatamente, estamos a falar de Search Engine Optimization. Por amor de Deus (ou por amor da sua inexistência ou da dúvida na Sua existência), abrace o SEO, beije o SEO, use o SEO, trate o SEO como o seu melhor amigo neste mundo do marketing de conteúdo e do marketing digital.

 

SEO (Search Engine Optimization) - Novamente ao SEO dispor

SEO, ou Search Engine Optimization, é um conjunto de métodos de otimizar um site para que os motores de busca, como Google, Yahoo, Bing, Ask, entre outros, que entendam o conteúdo da sua marca como relevante, posicionando-o no topo dos Resultados Orgânicos - mesmo ali na primeira página do Google.

Com o objetivo de se tornarem uma Autoridade Digital no seu setor, muitas empresas deixam- se levar pelo investimento em pesquisa paga (publicidade). Mas não se deixe levar na artimanha, já agora coloque no Google "pesquisa paga" !!!

Nós, Bluesoft, estamos na linha da frente das empresas especializadas em SEO. Nós, Bluesoft, dominamos as técnicas de SEO e tratamos por tu os serviços de SEO. Nós, Bluesoft, temos colocado empresas nas primeiras páginas do Google num abrir e fechar de keywords. Nós, Bluesoft, aumentamos significativamente a faturação dos nossos clientes e geramos resultados. Nós, Bluesoft, adoramos a linha de Cascais. Mas, acima de tudo, adoramos desafios. Apresente-nos o seu. Nós tratamos dele.

Será que a minha empresa precisa mesmo de SEO (Search Engine Optimization)?
23 outubro, 2018

Será que a minha empresa precisa mesmo de SEO (Search Engine Optimization)?

No final dos anos 90, muitos empresários gastaram os últimos subsídios disponíveis dos fundos da CEE (Comunidade Económica Europeia) para fazer os primeiros sites empresariais. Muitos deles nem sequer passaram da fase "Em construção", mas muitos foram aqueles que contrataram empresas tecnológicas para poderem também eles estar presentes no novo e apelativo mundo digital. 

 

2000: Odisseia dos Sites Institucionais

A primeira década mostrou uma web empresarial muito abundante em quantidade. Todos os pequenos empresários queriam ter a sua empresa representada num domínio que poderiam apresentar com um grande sorriso nas feiras locais. Na altura, os computadores com grandes monitores CRT eram presença habitual no posicionamento e concorrência local.

Ter um site na web era muito mais do que vender na internet, era um status de diferenciação para com os concorrentes. O site era bonito, era intuitivo e/ou vendia a marca? Em 90% dos casos não, mas era “obrigatório” ter uma morada digital para juntar à morada física, ao telefone da empresa e ao telemóvel que na altura ainda não dava para ver o site. 

 

Sites responsive: novo must-have

A segunda década deste século trouxe o mobile. Se, se desloca de transportes públicos pela cidade já verificou que as conversas com o “vizinho do lado” foram substituídas pela navegação no mundo digital. Cada um com o seu smartphone, sempre ocupados a ver os mais diversos sites. Mas será que os sites evoluíram à mesma velocidade que iPhones, iPods, iPads? Será que temos sites otimizados para os smartphones? A resposta é claramente não! 

As empresas nacionais ficaram paradas em 2010. Reféns de um investimento feito para a criação da primeira vaga de sites, muitas das empresas “abandonaram” o digital e por isso, os sites não foram devidamente atualizados.

São muitas as empresas que hoje em dia não conhecem a mais valia de terem um site devidamente otimizado para o mobile e para os motores de busca, nomeadamente o Google.

 

O seu site tem de estar na primeira página do Google 

As empresas que conseguiram ir atualizando (melhor ou pior) os seus sites empresariais, nem sempre souberam estar de acordo com as boas normas dos motores de pesquisa. Hoje em dia as software houses foram rapidamente dominadas pelos departamentos de design que tornaram a internet mais bonita e funcional, mas que na maioria das vezes deixaram o SEO (Search Engine Optimization) de fora. 

SEO esse palavrão de apenas três letras é um jargão tecnológico que é chamado sempre que queremos referir a forma como os motores de busca (Google, Yahoo, Bing,…) localizam as páginas e as organizam por ordem de importância. Nesta organização se a pesquisa é laranjas, e se a empresa tem laranjas para vender, certamente que desejará aparecer na primeira página do Google. 

 

+ SEO = + Visitas = + Vendas

Apesar da informação estar presente todos os dias na internet em inúmeros sites, os empresários e as equipas de marketing continuam com pouco olho para este mercado digital, que vende todos os anos milhões de euros online e offline. Os milhares de visitas que os sites bem estruturados e bem posicionados no Google têm, não geram apenas clicks, mas também milhões de euros em transações provenientes dos quatro cantos do mundo.

A sua equipa de vendas é limitada? Então coloque um site a vender para si, encontrando os seus clientes de forma natural (orgânicamente). Aliás os seus clientes vão encontrar a sua empresa, em vez de encontrar o seu concorrente, que até pode ter uma equipa de vendas 4 vezes maior que a sua.

 

Posicionamento no Mercado Digital

Não importa se tem uma grande empresa na Avenida da Liberdade, em Lisboa, ou numa pequena quinta em Trás-os-Montes. O seu posicionamento no Mercado Digital é que irá ditar o seu lugar de destaque entre os seus concorrentes. 

Um site bem posicionado é meio caminho andado para o sucesso de uma empresa nos dias de hoje. Se há 25 anos o site servia apenas como um cartão de visita, hoje em dia as visitas que são criadas pelo seu site levam o seu produto não só ao seu cliente no final da rua, como a um novo negócio do outro lado do mundo.

SEO (Search Engine Optimization)| O Marketing Digital em busca da amizade
20 setembro, 2018

SEO (Search Engine Optimization)| O Marketing Digital em busca da amizade

O jantar está pronto e só falta chegarem os convidados. Entretanto, o seu telemóvel toca e “olha, como é que eu vou para aí?”  É um dos seus amigos que anda perdido na estrada. Pelo meio da neblina, ele bem tenta encontrar o caminho de sua casa, mas sem aparente sucesso...

Este é um cenário que podia muito bem retratar a dificuldade sentida por um consumidor ao navegar pelo mundo online. Hoje em dia, certas marcas ainda se dão ao luxo de pensar que ter um website atrativo e funcional é sinónimo de leads, clientes e retorno financeiro.

Porque uma estratégia de marketing digital exige um investimento à medida, a Bluesoft guiá-lo-á em torno do SEO: Search Engine Optimization.

 

Significado de SEO: um abre-olhos digital

Do nosso leque de amigos, identificamos personagens para todos os gostos e feitios. De um lado, os certinhos que saem de casa com 1 hora de antecedência, chegando ao local marcado a tempo e horas. Do outro, os que não sabem a quantas andam, acabando literalmente por “andar ó tio ó tio”. Se acredita que, de facto, os amigos são para as ocasiões, devemos começar por ajudá-los a encontrar o caminho certo para nossa casa.

Fazendo um desvio pela rota do marketing digital, damos de caras (e corações) com o SEO (Search Engine Optimization). O que é e para que serve? Nós explicamos. Ele reúne um conjunto de técnicas, que facilitam a visualização das páginas de um website, através da sua otimização nos motores de busca. Estes entenderão o conteúdo da sua marca como relevante, posicionando-o no topo dos resultados orgânicos. A vantagem? Maior visibilidade face à concorrência e, sobretudo, junto de potenciais novos clientes.

O SEO ou Search Engine Optimation, é a arte de alcançar tráfego gratuito, de qualidade e que gere conversões, por outras palavras, significa ter os seus serviços ou produtos posicionados na primeira página de resultados do Google.

 

Estratégia de SEO: uma aposta segura

Se, há uns anos atrás, dar indicações por telefone era “um ver se te avias”, a internet passou a ser o anfitrião de serviço. Alguém imagina rumar a um ponto incerto sem recorrer ao Google Maps? Hoje mais do que nunca, 85% de toda a navegação na internet começa nos motores de busca, como precisamente o Google.

Na tentativa das marcas se tornarem uma referência digital no seu setor, estas deixam-se cair no conto do vigário: investir em pesquisa paga (publicidade). A verdade é que a probabilidade de obter cliques por esta via não ultrapassa os 6%! Argumento mais do que válido, para compreendermos a importância de uma estratégia de SEO: gerar tráfego qualificado para o seu website, aumentando a rentabilidade e visibilidade orgânica da sua marca.

 

Empresas de SEO – como escolher? A Bluesoft ajuda

Finalmente encontram-se todos reunidos à mesa. Por entre piadas, histórias e recordações, confesse-nos lá: quão enriquecedores são os momentos passados com os nossos amigos? Em todo o caso, convém sempre estimar os que são capazes de nos chamar à razão quando mais precisamos.

A Bluesoft tem provas dadas que o sucesso de uma estratégia de marketing digital requer, entre outros elementos, a criação de conteúdo relevante e a implementação de técnicas de SEO. Quem nunca ouviu falar da sua marca, passará a saber quem ela é. Para os que já a conhecem, as portas da amizade online estarão abertas por meio de keywords certeiras. Tudo para que aumente a rentabilidade da sua presença online.

Lado a lado, prepararemos a sua marca para a nova era digital. Com a matemática, com a estratégia, com a tecnologia, e com os conteúdos, conquistaremos as posições cimeiras nos motores de pesquisa, otimizadas para a obtenção de resultados orgânicos.

Amigos há muitos, mas quais são os que nos abrem os olhos para o mais importante?

A Bluesoft valoriza o primeiro lugar !!
19 junho, 2018

A Bluesoft valoriza o primeiro lugar !!

Dizem que a probabilidade de nascer é de um em 400 triliões. O que para nós, significa que já nascemos a ganhar. Mesmo antes de existirmos, já queremos ser os primeiros. O ser humano nasce com ambição, nasce com convicção e nasce com paixão. E desde o momento em que nasce, que é o primeiro. Todos nós nos lembramos do primeiro grande amor, da primeira viagem e até da primeira vez em que olhamos para algo e sentimos que vale a pena arriscar.

A Bluesoft valoriza o primeiro lugar. Os nossos clientes são a prova disso.

É muito importante trabalhar com profissionais especializados na área, devendo ser delineada uma estratégia digital orientada para os resultados. Na Bluesoft entregamos resultados, fazemos desenvolvimento tecnológico à medida, suportado por uma estratégia digital, que tem como objetivo a obtenção de resultados por parte do nosso cliente.

 

Estar na 1ª página do Google
26 abril, 2018

Estar na 1ª página do Google

Alguma vez se questionou como é que os resultados das pesquisas no Google se posicionam?

Pode achar que é uma questão de antiguidade da presença online ou, até mesmo, coincidência, mas quando falamos de resultados orgânicos (aqueles que não são pagos) existe uma ciência por trás dos mesmos, e a verdade é que, existem vários fatores cada vez mais humanos, como os sentimentos e os comportamentos dos utilizadores.

 

O Google analisa os comportamentos dos consumidores

Em 2011, Amit Singhal, um dos principais engenheiros de pesquisa do Google, mencionou, numa entrevista ao Wall Street Journal, que o Google tinha adicionado inúmeros "sinais" ou fatores no seu algoritmo para classificar os sites,  sendo um dos sinais a forma como os utilizadores interagem.

Existem outros aspetos que refletem o comportamento do consumidor como fator de classificação. Nesses, o Google afirma que, juntamente com os antigos fatores de SEO (search engine otimization), vários dados do utilizador podem ser usados por um mecanismo chamado de modificador de classificação, por forma a determinar a posição de uma página nos resultados da pesquisa.

Há alguns meses, Rand Fishkin da Moz, levou a cabo uma experiência: Entrou em contacto com os seus seguidores no Twitter e pediu-lhes que pesquisassem no Google pelo melhor bife grelhado. Quando fosse apresentado o resultado, deveriam clicar no primeiro resultado e, rapidamente, voltar atrás para clicar no quarto resultado, permanecendo nessa página alguns minutos.

Consegue adivinhar o que aconteceu? Pois bem, o quarto resultado chegou ao topo da página.

Por exemplo, se 80% dos consumidores clicarem no 1º resultado por "bife grelhado" e não interagirem com o website (não efetuarem qualquer ação), significa que a taxa de rejeição é de 80%, ou seja, o interesse (sentimento humano) provocado pelo website para a keyword "bife grelhado" é de somente de 20%, o que originará uma reclassificação de posicionamento, podendo mesmo sair da 1ª página de resultados do Google.

A relevância e o sentimento são cada vez mais importantes para a classificação dos resultados no ranking de posicionamento mas, para estar na primeira página, teremos que ser realmente os mais crediveis e os mais merecedores.

 

O Google analisa permanentemente as ações dos consumidores

Entre muitas informações recolhidas para cada clique, incluem-se a consulta que o utilizador digitou, o resultado do site em que o utilizador clicou, e o tempo em que esteve numa determinada página. Este tempo é medido entre o clique inicial, até o momento em que o utilizador navega para outra página. O Google sabe, por exemplo que, um determinado grupo etário, permanece menos tempo naquele conteúdo que um outro grupo.

O Google, ao indexar / classificar um site, avalia as suas características e propriedades, em comparação com os sites concorrentes, caso exista um bom desempenho, concluirá que o site é credível e de qualidade, colocando-o numa zona visível (1ª página do Google)

Na realidade, o Google sabe "quase" tudo sobre o consumidor, isto porque no futuro quer tornar-se o seu conselheiro pessoal e até o seu melhor amigo, através do fornecimento de serviços e informações úteis personalizadas.

Como utilizador só permaneço num site de "bifes grelhados" se me interessar o que vejo, o que leio e sobretudo se não for vegetariano.

 

Como estar na 1ª página do Google?

Cada conteúdo publicado na internet é analisado detalhadamente. O Google define e classifica o conteúdo e o seu público-alvo, ao nível da relevância, do comportamento, e até dos sentimentos de cada um dos utilizadores. Sem dúvida que podemos afirmar que o conteúdo é Rei, mas para os conteúdos terem visibilidade, será necessário um website, blog ou loja online preparados e otimizados tecnicamente para comunicarem de forma eficiente com o Google.

Na Bluesoft, implementamos de forma obsessiva as boas práticas de otimização com os motores de busca, com o objetivo de aumentar a visibilidade, a credibilidade e a rentabilidade dos nossos clientes na Web. Contacte-nos para fazer também parte dos nossos casos de sucesso.

O melhor Pai do mundo merece a marca com melhor SEO
15 março, 2018

O melhor Pai do mundo merece a marca com melhor SEO

Vem aí o dia do Pai! E em vez de lhe darmos uma lista de sugestões de presentes, vamos antes sugerir que ponha a sua marca na lista de presentes dos seus consumidores.

Esta data comemorativa, como tantas outras, é uma altura que potencia a procura e as compras online.

Repare, sempre que precisa de saber alguma coisa onde é que vai? Exato, ao Google. 85% de toda a navegação começa nos motores de pesquisa. Por isso, o Google tornou-se na porta principal de entrada na internet.

A sua marca pode estar a perder milhares de potenciais clientes, só porque os seus serviços ou produtos não estão na primeira página de resultados.

Mas já pensou no que é preciso para chegar às primeiras páginas?

 

Dê a conhecer a sua marca.

Em vez de ficar à espera de ser encontrado, leve a sua marca ao encontro do consumidor. A lógica é simples, seja qual for a sua área de negócio, é fundamental perceber:

  • O que procuram os utilizadores? 
  • Como o procuram? 
  • Quais são os dados estatísticos das pesquisas? 
  • O que é necessário para alcançar um posicionamento de destaque nos resultados dos motores de pesquisas? 

 

Parece complicado, mas não é. Tal como a palavra PAI, que também tem um grande significado, escreve-se apenas com três letras: SEO.

 

Mas afinal, o que é o SEO?

O SEO ou Search Engine Optimation, é a arte de alcançar tráfego gratuito, de qualidade e que gere conversões, por outras palavras, ter os seus serviços ou produtos posicionados na primeira página de resultados do Google.

 

O que é uma estratégia de SEO?

Uma boa estratégia de otimização com os motores de pesquisa (SEO) consiste em encontrar as keywords (palavras chave) mais relevantes para o negócio. Será também importante analisar a concorrência de forma a saber qual o esforço necessário para alcançar a tão desejada primeira página.

 

Como aplicar uma estratégia de SEO?

O site tem de estar otimizado a nível tecnológico, de acordo com as boas práticas e técnicas de SEO e, deverá ter conteúdos relevantes, consoante aquilo que o público alvo pesquisa.

Seguindo o exemplo do dia do Pai, sabia que só no mês de Março, em Portugal, existem cerca de 4.400 pesquisas pela keyword “gravatas”? 

As marcas que conseguirem posicionar-se na primeira página de resultados do Google, irão liderar as vendas de gravatas online. Se por exemplo o nosso cliente Mr.Blue não estivesse na primeira página de pesquisa por "gravatas" ou até "camisas desportivas", perderia milhares de cliques mensais.

 

Se tudo isto ainda lhe parece complicado, contacte-nos. Temos uma estratégia de SEO que vai ser um presente para a sua marca, não só no dia do Pai, mas em todas as outras datas em que poderá potenciar as suas vendas.